número 1, 2021     
    número 2, 2021     
    número 3, 2021     
    especial 1, 2021     

Volume 5

Funga Cultural: micologia filatélica do Brasil e utilização de selos no ensino

 

Jorge Luiz Fortuna

A Bruxa 5(3): 32-55, 2021

Resumo

Fungos são seres vivos ubíquos, heterotróficos, uni ou multicelulares, morfologicamente diversificados e importantes para o ecossistema pela reciclagem da matéria orgânica e equilíbrio ecológico. Diversidade cultural define-se como diversidade biológica, cultural e linguística, incluindo inter-relações, dentro do complexo sistema adaptativo socioecológico. Este trabalho propõe o termo FUNGA CULTURAL como estudo da presença fúngica nas diferentes manifestações culturais. Como exemplo de manifestação cultural, este artigo trata de relacionar fungos com filatelia. Objetivou-se realizar um inventário dos selos comemorativos brasileiros que apresentam imagens de fungos, além de analisar suas representações na Funga Cultural e descrever as características de tais espécies. Foram analisados todos os selos postais comemorativos emitidos pela Empresa de Correios e Telégrafos do Brasil durante o período de 1900 a 2019. Foram emitidos dez selos com estampas de fungos, em três diferentes séries: três selos da série Fungos; um selo da série Estação Ecológica do Taim-RS; e seis selos da série Diversidade de Fungos. Os fungos apresentam ínfima representatividade nos selos comemorativos brasileiros. Os selos fazem parte da cultura humana e aqueles com estampas de fungos podem ser inseridos como representantes da Funga Cultural. Ademais, pode-se usar o selo como mais um recurso didático no ensino da funga e na divulgação científica.

 

Palavras-chave: coleção; divulgação científica; filatelia; fungos.

               Geomitologia da América do Sul, Mary Anning e os monstros de lago

 

              Júlia Mayer de Araujo; João Marcelo Pais de Rezende & Luiza Corral Martins de Oliveira Ponciano

A Bruxa 5(2): 22-31, 2021

Resumo

“Marianna e o Plesiossauro” é uma história criada pelo projeto de extensão Geomitologia da América do Sul: as rochas contam a nossa história, a fim de fazer a divulgação de fósseis de plesiossauros encontrados na Argentina e a história da paleontóloga inglesa Mary Anning. A aplicação da história para crianças tem como objetivo fazer a distinção entre dinossauros e répteis marinhos.

 

Palavras-chave: divulgação científica; répteis marinhos; taxonomia.

               Borboletas da Restinga - Parque Natural Municipal da Restinga do Barreto

 

              Camila Tavares Brito Guedes; Juliana Ferreira Meireles; Jully da Silva; Mateus de Oliveira Soares;

              Yasmim Alvarenga de Abreu; Alexandre Soares; Amanda Soares Miranda & Vinícius Albano Araújo

A Bruxa 5(especial 1): 63p. 2021

Retrospectiva 2020: nem melhor, nem pior, apenas um ano diferente no que se refere às formas de se falar de Zoologia

(e de Ciência em geral)

Elidiomar Ribeiro Da-Silva & Luci Boa Nova Coelho

A Bruxa 5(1): 1-11, 2021

Resumo

Pode-se considerar 2020 um ano diferente dos outros do século XXI. A pandemia de COVID-19 nos impôs mudanças comportamentais, incluindo o isolamento físico. As universidades e institutos públicos, centros de produção e divulgação do conhecimento científico no Brasil, paralisaram suas atividades presenciais, seguindo as recomendações das autoridades em saúde pública. Assim, as formas de se falar sobre Ciência e, especificamente, Zoologia, tiveram que ser reconfiguradas, com a internet desempenhando papel fundamental.

 

Palavras-chave: divulgação científica; eventos on-line; pandemia; redes sociais.

Divulgando a Zoologia em um quilombo do Estado do Rio de Janeiro, através da ação

Os Bichos da Terra da Gente

Luci Boa Nova Coelho; Elidiomar Ribeiro Da-Silva; Vinícius de Menezes Estrela Santiago; Regina de Assis;

Rômulo Fagundes Sodré & Tainá Boa Nova Ribeiro Silva

A Bruxa 5(1): 12-21, 2021

Resumo

O presente trabalho relata uma ação de divulgação da Zoologia, realizada em maio de 2019, no Complexo Cultural Fazenda Machadinha, patrimônio histórico de Quissamã, RJ. A ação foi parte das celebrações realizadas pelo Grupo de Jongo Tambores de Machadinha e pela Associação de Remanescentes de Quilombo Machadinha, referentes ao Dia da África, Dia dos Pretos Velhos e Abolição da Escravatura. Seguindo a linha de divulgar Ciência através da Cultura, as atividades lúdicas incluíram a distribuição de fanzines; um jogo da memória, associando animais da África com personagens fictícios; um jogo que correlaciona animais domésticos e da fauna silvestre brasileira com suas respectivas pegadas; brincadeiras com luvas reproduzindo as patas de animais; a pintura livre de desenhos de bichos; e fotografia livre junto a pôsteres com representantes das megafaunas africana e brasileira. Com isso, esperamos ter sensibilizado os participantes acerca da forte presença cultural dos animais, bem como da importância de se preservar a biodiversidade.

 

Palavras-chave: evento comunitário; popularização da Ciência; sensibilização.

© 2017-2021 A BRUXA por lbnc