Volume 4
      némero 6, 2020
      especial 3, 2020
      número 5, 2020
      número 4, 2020
      número 3, 2020
    especial 2, 2020   
  número 2, 2020 
      especial 1, 2020
      número 1, 2020
      

Heráldica paleontológica em entes administrativos: apresentação e possibilidades em brasões no Brasil

Renato Pirani Ghilardi & Jocélio Santiago-Andrade

A Bruxa 4(6): 1-12, 2020

Resumo

 

A Heráldica é utilizada como forma de comunicação e identificação entre os seres humanos. A utilização de simbologias em brasões de entes administrativos possibilita a identificação de padrões culturais, históricos, pessoais e naturais de uma região. A Paleontologia pode e deve estar representada na Heráldica para indicar patrimônios fossilíferos de municípios, facilitando não só a sua divulgação turística, mas também melhorando aspectos econômicos da área. Aqui, faz-se uma apresentação das características básicas de Heráldica e como são encontrados os registros paleontológicos dessa ciência em diferentes brasões de entes administrativos pelo mundo. Por fim, faz-se a análise de que é necessário um melhor entendimento dessas possibilidades para que haja reconfiguração de brasões municipais brasileiros onde o elemento fóssil é importante regionalmente.

Palavras-chave: armoriais; fósseis; municípios.

As plantas carnívoras e cactos (Caryophyllales) em Pokémon: um olhar a partir da Botânica Cultural

Fábio Ortiz Goulart

A Bruxa 4(6): 13-22, 2020

Resumo

 

O presente trabalho busca trazer um olhar para as plantas carnívoras e os cactos presentes na franquia de jogos eletrônicos Pokémon, a partir do que se convencionou chamar de Botânica Cultural. Para tanto, coletei informações referentes aos personagens dos jogos e às características vegetais presentes em seus designs e características morfológicas, fisiológicas e ecológicas. Ao total foram encontrados sete Pokémon baseados na ordem Caryophyllales. Concluo que as mídias podem ser importantes ferramentas para a popularização do conhecimento sobre a biodiversidade existente em nosso planeta.

Palavras-chave: Biologia Cultural; cultura pop; divulgação científica; jogos eletrônicos; Plantae.

V MOSTRA DE BIOLOGIA CULTURAL (evento online)

Olha a cobra! - Festas Juninas

 

RESUMOS

Da-Silva & Coelho (Eds)

A Bruxa 4(especial 3): 1-44, 2020

Da Colônia à República: a representação zoológica nas moedas circulantes brasileiras

Caio C. D. Corrêa & Leonardo H. Gil-Azevedo

A Bruxa 4(5): 1-11, 2020

Resumo

 

Neste estudo foi realizado um levantamento sobre a representação zoológica nas moedas circulantes no Brasil, desde o período colonial até 2019. Os dados foram compilados de catálogos numismáticos com moedas brasileiras. Foram encontrados nas moedas 24 tipos/valores com representações zoológicas e 15 morfótipos animais. Dessas moedas, foi encontrada a predominância de morfótipos animais do subfilo dos vertebrados (Chordata: Vertebrata). Pôde-se observar que os períodos políticos tiveram importante impacto na representação de animais nas moedas brasileiras, com um crescente número de representações e valorização da biodiversidade na Nova República.

Palavras-chave: cunhagem; numária brasileira; numismática; Zoologia Cultural.

Além dos muros de Gotham City: o curioso caso dos morcegos no futebol espanhol

Leandro Lourenço Dumas

A Bruxa 4(4): 1-27, 2020

Resumo

 

O futebol, um dos esportes mais populares do mundo, acaba utilizando-se de símbolos repletos de significados, incluindo o uso de muitos animais nos mesmos. Os morcegos, mesmo sendo uma das maiores ordens de mamíferos, com aproximadamente 1.300 espécies, são raramente utilizados pelos clubes em seus escudos. Quirópteros desempenham importantes serviços ecossistêmicos relacionados aos seus hábitos alimentares variados – polinização de diversas espécies vegetais, reflorestamento por dispersão de sementes, controle de pragas, entre outros. Mesmo exercendo papel fundamental na manutenção dos ecossistemas, esses animais causam repulsa na maioria das pessoas devido aos seus hábitos noturnos e às poucas espécies hematófagas, gerando associações com o submundo, a escuridão e a morte no imaginário popular. Porém, os morcegos são muito venerados em determinadas regiões da Espanha, devido às lendas associadas a fatores históricos durante a retomada de importantes territórios previamente conquistados pelos árabes e que faziam parte da região do antigo reinado da Coroa de Aragão. Isso reflete diretamente na simbologia dos clubes de futebol espanhóis, que apresentam diversas representações de morcegos em seus escudos. Assim, este trabalho teve por objetivo a listagem e análise desses emblemas, relacionando-os com as possíveis motivações para a escolha e o uso dos quirópteros nos mesmos.

Palavras-chave: clubes de futebol; cultura pop; esporte; quirópteros; Zoologia Cultural.

Diversidade de aves marinhas em Pokémon: uma ferramenta de educação ambiental e conservação

Danilo Freitas Rangel; Eduardo Freitas Nobre da Silva & Leonardo Lopes Costa

A Bruxa 4(4): 28-34, 2020

Resumo

 

As aves marinhas são organismos indispensáveis para o equilíbrio ecológico dos oceanos. O surgimento de estratégias inovadoras de educação ambiental pode contribuir para o aumento do interesse pelo aprendizado de Biologia e conservação, e popularizar a biodiversidade. A franquia Pokémon conquistou milhares de pessoas em todo o planeta a tal ponto que muitas crianças são mais eficientes em identificar as criaturas fictícias do que animais verdadeiros, alertando os educadores e conservacionistas de como as atividades lúdicas e culturais podem contribuir para promover o aprendizado adequado e a conservação ambiental. Este trabalho aborda os Pokémon morfologicamente e ecologicamente semelhantes às aves marinhas e discute sobre sua biologia, demonstrado analogias que podem ser utilizadas em ações de educação ambiental. As famílias de aves marinhas representadas por criaturas Pokémon são Sulidae, Laridae, Spheniscidae e Pelecanidae. Todos esses táxons são considerados carismáticos e/ou ameaçados por distúrbios humanos e mudanças climáticas. Portanto, os Pokémon oferecem uma excelente oportunidade para aumentar a conscientização e popularizar as aves marinhas como espécies emblemáticas em ações de conservação.

Palavras-chave: Biologia Marinha; Ecologia; ensino; lúdica; sustentabilidade.

A Copa do Mundo é o bicho! A Zoologia na maior competição de futebol do planeta

Leandro Lourenço Dumas

A Bruxa 4(3): 1-37, 2020

Resumo

 

O futebol é um dos esportes mais populares do mundo, tendo forte ligação com os animais, usados como símbolo de agremiações e federações esportivas. A Copa do Mundo, principal torneio futebolístico do planeta e com grande apoio midiático, mobiliza milhões de pessoas, constituindo uma cultura esportiva globalizada, de grande alcance e influência nas mais distintas camadas da sociedade atual. Além disso, a competição pode ser encarada como um importante elemento na formação da identidade nacional. Foram analisadas as 211 seleções de futebol associadas à FIFA, das quais 62 apresentavam algum animal figurado em seu escudo, totalizando 40 táxons, sendo 38 deles constituídos por mamíferos e aves, em especial grandes predadores. A partir dos resultados obtidos, os animais foram analisados quanto à motivação da escolha pelos países, se constituem animais nativos à fauna daquele país e pelo status de conservação da espécie. Também foi incluída uma discussão sobre o possível uso desses símbolos como ferramenta para programas de conservação de espécies, tendo em vista o alto potencial de alcance popular do futebol, e aplicações no ensino de Biologia, onde possíveis temas como migração, melanismo, extinção e domesticação de animais, e até mesmo biogeografia foram sugeridos.

Palavras-chave: animais em escudos esportivos; espécies ameaçadas; esporte; seleções de futebol; Zoologia Cultural

IV MOSTRA DE BIOLOGIA CULTURAL - Da Quarentena à Páscoa

 

RESUMOS

Da-Silva & Coelho (Eds)

A Bruxa 4(especial 2): 1-38, 2020

ARTIGO DE OPINIÃO

Sobre incursões da fauna silvestre a áreas urbanas durante a pandemia do novo coronavírus

Da-Silva & Coelho

A Bruxa 4(2): 1-13, 2020

Resumo

 

Em janeiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou como pandemia o surto de um novo coronavírus, de origem zoonótica, iniciado na China e rapidamente disseminado pelo planeta. Como a transmissão do vírus se dá pelo contato pessoa a pessoa, na inexistência de vacina e medicamentos eficientes, a forma mais adequada de se lidar com o problema é a prevenção do contágio, através do distanciamento social. Recolhidos a suas casas, os seres humanos deixam as cidades vazias e essas vêm recebendo a visita de integrantes da fauna silvestre, com relatos sendo feitos pela imprensa e nas redes sociais. Quando superarmos esse grave problema de saúde pública global, será necessário que se repense a relação dos humanos com os elementos faunísticos e com o meio ambiente como um todo.

 

Palavras-chave: Cervus; Cygnus; Macaca; Puma; SARS-CoV-2; Tursiops.

III MOSTRA DE BIOLOGIA CULTURAL - Carnaval, bichos e plantas

 

RESUMOS

Coelho & Da-Silva (Eds)

A Bruxa 4(especial 1): 1-39, 2020

As potencialidades da animação O Rei Leão como recurso didático no ensino de Ciências e Biologia 

Aline Silva Dejosi Nery; Willian Alves Pereira & José Antônio Dias da Silva

A Bruxa 4(1): 1-8, 2020

Resumo

Os filmes são ótimos recursos didáticos para despertar o imaginário das crianças. Nessa linha, o presente trabalho sugere como as duas versões em longa-metragem de O Rei Leão (The Lion King, Walt Disney Studios, 1994 e 2019) podem vir a ser utilizados como uma ferramenta pedagógica em estudos de ecologia, botânica e zoologia, nas disciplinas de Ciências e Biologia, e em ambientes não-formais, como os centros de ciências e museus. Consideramos que aulas feitas através de animações cinematográficas podem auxiliar no processo de formação dos alunos no estudo de Ciências, contribuindo não só para a autorreflexão como também para a construção do conhecimento crítico, a partir das questões discutidas no contexto da animação. Sendo assim, o longa pode colaborar de forma educativa, dinâmica, criativa, inovadora, sensível e ousada dentro do estudo temático, podendo despertar no aluno o interesse em estudar os assuntos. Enfatizamos que esse recurso deve ser explorado de forma que não se torne apenas um passatempo para os alunos, mas sim que ocorram análises e discussões e se estabeleça uma relação entre a história da animação e os conhecimentos de ecologia, botânica e zoologia.

Palavras-chave: audiovisual; Disney; educação.

A importância das adaptações da Lenda de Anansi pelas editoras DC e Marvel como ferramenta educacional

Luci Boa Nova Coelho & Tainá Boa Nova Ribeiro Silva

A Bruxa 4(1): 9-33, 2020

Resumo

As histórias em quadrinhos (HQs) podem aguçar a curiosidade e ampliar os horizontes do conhecimento, possibilitando a construção de critérios coerentes e de uma visão mais clara e responsável ante aos eventos cotidianos. Pesquisas têm mostrado que as HQs, além de suprirem a necessidade de entretenimento pessoal, são transdisciplinares, o que reforça sua utilidade na transmissão de conhecimentos gerais e específicos.  Nas histórias clássicas, os heróis sempre foram apresentados como deuses, inspirando os meros mortais. As editoras Marvel e DC inseriram em seus títulos a Lenda de Anansi, o deus aranha africano que queria possuir as histórias do mundo. Dentre os personagens que dividem a lenda com Anansi estão um leopardo, um enxame de marimbondos e uma fada que, em algumas das adaptações, foram excluídos ou substituídos. Na DC, nos dois títulos de HQs que abordam a lenda, o principal personagem é a heroína de origem africana Vixen, guardiã do poder de Anansi; em uma animação, também da DC, a lenda foi ligada à ancestralidade do jovem herói Super Choque. Certamente, a relação com o Homem-Aranha fez com que a Marvel publicasse sete títulos em HQ abordando a lenda, traçando paralelos e uma possível origem para o super-herói. A união entre cultura pop e mitologias é benéfica, podendo aproximar o público do raciocínio sobre suas origens e da vida natural. Assim, os mitos e lendas, com sua constante inspiração em animais, fornecem uma ampla variedade de temas de zoologia cultural.

 

Palavras-chave: África; aranha; HQs; zoologia cultural.

© 2017-2020 A BRUXA por lbnc